A Teoria de Tudo: Uma Cinebiografia Inverossímil

Postado em Atualizado em

ateoriadetudo-poster O físico Stephen Hawking tem uma trajetória de vida das mais singulares. Diagnosticado com ELA, uma doença degenerativa das mais graves que existem, conseguiu estender sua vida por décadas, quando a expectativa de vida era de apenas dois anos. Casou, teve três filhos, separou da primeira mulher, engatando um romance com sua enfermeira e ainda nesse meio tempo virou uma lenda viva no que diz respeito a física e suas aplicações.

Bem pela sinopse de vida já podíamos esperar um filme dos mais interessantes. Mas não é bem isso que vemos ao longo dos seus 123 minutos. Sendo baseado no livro homônimo escrito pela ex-esposa de Hawking, Jane Wilde e com direção de James Marsh e roteiro de Anthony McCarteno, o longa força em se manter agridoce demais, quase uma ode ao entusiasmo e a doação. Em nenhum momento vemos Hawking frustrado ou decepcionado, ou até mesmo furioso com sua condição, ele encara tudo serenamente sempre com uma face sorridente e otimista. Dou outro lado vemos sua esposa dedicada e devotada que aos poucos vai percebendo que não teria como dar conta da criação dos três filhos e dos cuidados que o marido precisava e tenta de certa forma um ponto de fuga, sendo esse preenchido por Jonathan (Cox) que entra na vida do casal já quando a doença de Hawking está em um grau avançado. teory 1 O que poderia se tornar uma ótima sequencia de como lidar com o problema de ter um marido ausente, tomado por suas limitações e uma esposa que se entrega ao cansaço e a abdicação em busca de um novo amor, temos a total falta de profundidade nesse ponto, deixando a traição de Jane apenas consentida vagamente. E é essa toada de suavização que vai se repetir por todo o longa, trazendo a relação familiar de Hawking e Wilde superando as dificuldades do estado dele com uma leveza pouco verossímil. Estranhezas  e pouca verossimilhança com a realidade a parte fica o destaque para a composição de elenco. Tanto Felicity Jones quanto Eddie Redmayne são tocantes na construção de seus personagens. Ela que demonstra claramente o cansaço do peso de sua responsabilidade e missão e ele com uma transformação das mais impressionantes jamais vista nas telonas, é notável todos os trejeitos e características que ele conseguiu incorporar de Hawking e transmitir isso ao público muitas vezes apenas se expressando com olhares ou levantares de sobrancelha. Não a toa os dois estão indicados ao Oscar e Eddie com grandes chances de vencê-lo. The-Theory-of-Everyhing-657x360 A Teoria de Tudo enfim é um filme bonito que marca a trajetória de um dos físicos mais brilhantes da atualidade, mas peca por ter medo de conflitos, em nenhum momento vemos antagonismos dentro da história e isso incomoda quando temos desde separações, traições e uma vida de doação aos estudos, ou a família.

Ps: A única cena que realmente me emocionou foram os segundos em que Hawking encara a cadeira de rodas como quem pensasse ao contrario do que expressa( dizendo que aquilo seria apenas temporário) que estaria aprisionado aquele aparelho pelo resto da vida…Impossível não chorar. The-Theory-of-Everything-Official-Poster-Banner-PROMO-08SETEMBRO2014-04-890x395 Por Jefferson Lobo

Anúncios

Um comentário em “A Teoria de Tudo: Uma Cinebiografia Inverossímil

    Brunna Malffoy disse:
    14/07/2015 às 15:20

    Filme Lindoo demais!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s